Guggenheim Bilbao

13 11 2009

Como consequência do projeto de revitalização de Bilbao, iniciado na década de 90, o museu Guggenheim emerge como um dos edifícios mais visitados e comentados no mundo. Por sua arquitetura de alta tecnologia e suas formas inusitadas propostas pelo arquiteto norte-americano Frank Gehry. A execução do museu só se deu devido a utilização de softwares complexos que solucionavam os difíceis cálculos estruturais. Como método de projeto de Gehry foram feitos inumeros modelos e croquis de maquete até que se chegasse a uma composição que agradasse. As placas metálicas da fachada são de titânio curvado, os fechamentos são de pedras e vidro que harmonizam a composição visual. A fachada metálica tem referência no passado da cidade como grande construtora de navios e sendo um importante porto pra Espanha, já sua forma muitos dizem que lembra um navio. O projeto foi altamente criticado por ser considerado mais importante que as obras que estão expostas em seu interior, por seu elevado custo e pelo caráter quase experimental de muitas das inovações usadas em sua construção, que fazem com que os custos de manutenção e limpeza sejam elevados. Dentre as obras expostas estão as da coleção da Fundação Solomon R. Guggenheim do museu de Nova York, do governo basco, obras contemporâneas e grandes nomes como Kandinsky, Picasso, Pollock, De Kooning.

Museu Guggenheim Bilbao
Abandoibarra Etorbidea 2,
48009 Bilbao, Espanha
Telefone: 94 435 90 00‎
http://www.guggenheim-bilbao.es/





Estação da Luz

23 10 2009

A primeira Estação da Luz foi construída em 1867 pela Estrada de Ferro Inglesa, a São Paulo Railway, e ligava Jundiaí, interior de São Paulo e Santos. Com a expansão das exportações de café, a estação ficou pequena para transportar o volume de mercadorias até o porto de Santos e em 1895 a próspera companhia São Paulo Railway começa, no mesmo local, a construção de uma outra estação, maior e mais imponente. A nova construção foi projetada pelo arquiteto inglês Charles Henry Driver, em estilo neoclássico. Todos os materiais utilizados na construção foram importados da Europa, assim a Estação da Luz foi apenas montada aqui. Em 1946 um incêndio criminoso destruiu uma grande parte da estação restando apenas a ala oeste. Em 1947 a companhia proprietária da estação é nacionalizada com o nome Estrada de Ferro Santos-Jundiaí. Em 1951 ficam prontas as obras de restauração do edifício incendiado, adicionando a ele um outro pavimento e uma plataforma central para utilização do trem metropolitano. A partir desse período o transporte ferroviário entra em decadência no Brasil e com isso a estação e todo o bairro da Luz entram num processo de degradação. Nas décadas de 90 e 2000 a estação passa por um processo de reformas emcabeçadas pelo arquiteto Paulo Mendes da Rocha e a partir daí passa a abrigar o Museu da Língua Portuguesa em seu mezanino. Hoje a Estação da Luz é uma importante ligação do centro de São Paulo com o resto da região metropolitana por interligar as linhas de metro e trem e destaca-se como exemplo de preservação do patrimônio histórico, tendo sido tombada pelo Condephaat em 1982.

Estação da Luz
Praça da Luz, 1
Luz – São Paulo (Metrô Luz)
Telefone: 0800-55-0121
www.estacaodaluz.org.br
Horário: todos os dias, das 4h às 24h





Memorial do Holocausto

22 10 2009

O Memorial do Holocausto de Berlim é, como o próprio nome diz, é um local dedicado a guardar e resgatar a memória das vítimas do Holocausto. A obra é um projeto do arquiteto Peter Eisenman e foi concluída em 2004 e inaugurada em 2005. O memorial ocupa uma área de 19000 metros quadrados que foi coberta com 2711 blocos de concreto de alturas e tamanhos diversos. A idéia do arquiteto era simular as sensações de medo, surpresa e insignificância sentidas pelos judeus. Dessa forma ao caminhar entre os blocos e perceber que esses aumentavam de tamanho até atingirem 2,38 metros, as pessoas perderiam seu senso de direção, pareceriam estar andando em um labirinto, não tendo nenhum ponto visual como referência. Se sentiriam pequenas e confinadas perto do tamanho dos blocos de concreto e também com medo, pelo fato de se cruzar com as pessoas que estariam fazendo o percuso no memorial sem estar esperando por elas. Embaixo dos blocos há um anexo, o “Local de Informação” onde está guardado o nome de todas as vítimas judias conhecidas do Holocausto, fornecidos pelo museu israelense Yad Vashem.

Holocaust Mahnmal
Cora-Berliner-Straße, 10117 Mitte
Berlin, Germany‎





Instituto do Mundo Árabe

13 10 2009

O Instituto do Mundo Árabe, localizado próximo a Catedral de Notre Dame, na área central de Paris é um centro cultural com museu, espaços para exibições, uma biblioteca, um centro de documentação, um auditório, um restaurante, oficinas infantis e escritórios. A escolha do arquiteto partiu de uma concorrência promovida pelo então presidente da França, François Mitterrand. No projeto, o arquiteto Jean Nouvel recria elementos da cultura islâmica e os aplica na fachada Sul do edíficio inovando assim no formato dos brises que ele utiliza para filtrar a insolação excessiva. Ele cria um elemento que se baseia num diafragma das câmeras fotográficas, abrindo e fechando de acordo com a intensidade luminosa do exterior, tudo isso controlado mecânicamente com o auxílio de células fotosensíveis. O efeito disso no interior do prédio é um controle da entrada de luz que lembra muito a arquitetura islâmica. A outra fachada, de frente para o Rio Sena é completamente espelhada refletindo a paisagem do rio e da cidade de Paris. O prédio vale a pena de ser visitado, pois ele foi construído na década de 80, época onde essa questão de conforto e sustentabilidade ainda não era tão discutida e utilizando-se ainda de uma técnologia inovadora para filtrar a luz.

Institut Du Monde Arabe
1, rue des Fossés Saint-Bernard
Place Mohammed V
75236 PARIS CEDEX 05
Tel: 01 40 51 38 38